terça-feira, 21 de maio de 2024

João Silvio Cerqueira Monteiro


 Conhecido como Dr Silvio, filho de Antônio Leite Monteiro e Zenaide Cerqueira Monteiro, nasceu em Santa Bárbara-BA em 15 de novembro de 1947. Por possuir um pilar forte no campo de ciências exatas, partiu muito cedo para Salvador e se formou  Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da UFBA em 1971. Pós graduado (Especialista ) em Engenharia Rodoviária, na área de Pavimentação (Universidade Federal da Bahia) 2004 a 2006. Logo depois de sua formação, fez concurso para o órgão federal DNER (Departamento Nacional de Estradas de Rodagem), hoje DNIT, (Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte), ingressando em junho de 1973, tão logo promovido a chefe da residência  de Euclides da Cunha.

Em 1975 se hospedou no Hotel Lua, onde conheceu sua esposa Fátima Nascimento Dantas. Casaram-se em 1976. Filhos:  Suzana, Marcelo, Leonardo e Ricardo. Netas: Marina, Ísis e Lara.



Comandou a região de Euclides da Cunha de  dezembro de 1975 a outubro de 1997. Superintendente do DNIT na Bahia de 1999 a 2002, 2009 a 2012.

Principais atividades na sede de Euclides da Cunha

Como chefe de engenharia, operou projetos e construção das rodovias BR116/BA de Serrinha à divisa da BA/PE, BR 410 (Tucano – Ribeira do Pombal),  BR 235/BA ( Divisa SE/BA ( Carira).

“No início da década de 1970 eu era Diretor do Educandário Oliveira Brito.

Naquela época faltou Professor de Matemática, então, fui ao Hotel Lua e convidei Dr. Silvio  para lecionar a matéria. 

Competente Professor de Matemática, de pronto, o mesmo aceitou o convite, tendo colaborado com o Educandário durante dois anos”.  Comentou o Prof. Sebastião Miranda da Paz, o qual diplomou a 1a. turma de magistério, para este site

Esporte em Euclides da Cunha

Elaboração do Projeto e construção do estádio Municipal em 1989, projeto do Clube AABB e o Campo de Futebol, no Clube de Campo Os Sertões (Clube dos Cem), como sócio fundador.

Ex-atleta do Batafogo da Bahia, ficou admirado pela grande performance dos jogadores euclidenses, em especial, Toinho de Bia, conhecido como Motorzinho. “O Toinho era realmente uma coisa fantástica, um dos melhores que já vi jogar”,  disse Dr Silvio em entrevista numa rádio local. 

O time CBDE em que Toinho e Silvio  faziam parte foi campeão euclidense  em 1978.


Foto: Museu do Cumbe







A sede do departamento começou na Rua Elson Torres de Aquino. Observando a foto, a linha vermelha era a entrada das oficinas e a linha azul, estacionamento. Do outro lado da rua, próximo ao Bradesco, onde funciona hoje a ótica de Zé Antônio, até a lanchonete do Moraes, funcionavam os gabinetes, escritórios e uma bomba de combustível para abastecer os caminhões. Depois que a sede foi transferida para o local atual (DNIT), Silvio construiu a casa de morada oficial do DNER/DNIT (muro verde na foto). Ao lado, na linha azul, emprestou para os funcionários do antigo Baneb estacionarem seus carros. Na nova residência,  criou logo uma área de lazer com um espetacular campo de futebol society  destacando uma rara grama esmeralda. 

Todos os finais de semana tinham treinos em sua casa. 

Curiosidades: 

Batista da Telebahia comentou para este blog que não era muito bom de bola, mas, conseguiu com apoio do mestre: entrar na "máfia" como goleiro e depois lateral direiro.

Sobre a máfia no campo

Quando o campo da residência ficou pronto, vários eram os jogadores considerados médios, bons e os melhores. Doze jogavam: um goleiro e mais cinco de cada lado. Impossível  jogar com todos que apareciam. Silvio evitava escolher sua equipe com receio de contrarreações, deixando-os à vontade para formarem seus times. Ficou assim por muito tempo, porém, chegou numa situação que estavam criando times para ganhar e tornando rivalidade. Então, mediante isso, o chefe da casa decidiu formar seu próprio time. Ficou assim, Netinho (goleiro), Cardoso do Bradesco, Beré (Zaga), Silvio e Hamilton do Zuza na frente, depois entrou o César da Deusinha (lateral direito), Juca, Zé Reinaldo, Batista, entre outros. Aqueles que ficaram a parte reclamavam: QUE MÁFIA DA  P...  É ESSA?!?  Então, não era fácil fazer parte da máfia. O time escolhido foi campeão em várias cidades circunvizinhas.



Foto: Zé Reinaldo 



Time CBDE, de pé, da esquerda para direita, Netinho do Antenor, Lázaro, Chicão da professora Rita, César da Deusinha, Juca do Fenelon, Sidney do Ze Barbeiro, Menininho do Zé Rodrigues, Dr Silvio

Agachados, Silvio (funcionário do Banco do Brasil), Antenorzinho, Bira, Hamilton do Zuza, Edilson, Toinho de Bia e Zé Reinaldo Esteves.

Toinho de Bia (Motorzinho)

Motorzinho foi campeão também na seleção de Tucano (1966)  e Antas (1967)


Foto: Toinho de Bia

>>> clique para ampliar
Foto: Toinho de Bia






Por ser um excelente jogador, Motorzinho foi agraciado com uma crônica que se encontra muito bem zelada e exposta em sua residência na área gourmet 





Para ler a crônica clique AQUI

Além de sua profissão, Silvio é apaixonado por leitura sendo um exímio professor. Com enormes conhecimentos em várias áreas, tem o prazer de ouvir e dividir sua sabedoria e experiência com  todos aqueles que o rodeiam. Também é um grande contador de causos e estórias.

 


Operado de uma lesão na retina em 2018, foi proibido por seu médico da prática do futebol.  Para superar o trauma daquilo que mais gostava, contratou um professor de violão. Hoje, com sua voz grave, canta e toca animando festas da família, amigos,  sempre acompanhado com músicos natos.

sábado, 13 de janeiro de 2024

Divulgações de 1960 em Euclides da Cunha - Bahia

 Propagandas de Consultórios Médicos realizadas no livro de José Aras em 1960, como forma de patrocínio.

 


Observa-se que, nessa época, os Médicos Ginecologistas eram chamados de Médicos Especialistas em Doenças de Senhoras 


Houve também, além dessas, várias outras propagandas do comércio local. 

Em breve publicaremos


domingo, 17 de setembro de 2023

Hino de Euclides da Cunha - Bahia

Data da primeira publicação neste site: 25-08-2009

Arquivo/Colaboração: Raimundo Carvalho Rabelo

Clique no link abaixo para ouvir

https://youtu.be/RWHbPI-aHOY?si=VZ_RVkJso0o-__cE


Os autores do Hino de Euclides da Cunha são:
Letra: José Aras
Música: Antonio Moreira
Em 1972 (fonte: Câmara Municipal de Vereadores de Euclides da Cunha)

Foi gravado pela primeira vez em mídia de fita cassete e passado posteriormente para CD em 1996 pelo cantor e compositor Rabelo Gonzaga e, por isso, ficou assim divulgado:
Intérprete: Rabelo Gonzaga
Acompanhantes - Safona: Cezário; Teclados: Ney Campos; Vocais: Canário de Canudos, Janacira e Elenir Ribeiro


Letra:

Euclides da Cunha torrão adorado
Tão decantado no mundo inteiro
"Os Sertões" veio nos trazer a glória
Da nossa história no sertão Brasileiro

Por muitos anos foi aqui adorado
O Bendegó - famoso meteorito
Nosso sertão um jardim em festa
Foi o escolhido lá no infinito

Salve ó rincão de filhos varonis
Heróis anônimos mortos de pé
Renasce ardente em nossos corações
Tua bravura de amor e fé

sábado, 17 de junho de 2023

Raro vídeo do São João de Euclides da Cunha, ano 1990

O vídeo é de baixa qualidade, porém dá pra reviver grandes momentos.
Depois da Rua da Igreja os festejos juninos passaram a ser na Avenida Ruy Barbosa.
O nosso arraiá se resumia entre Hotel Lua até a antiga loja de Mariazinha Dantas (Hoje Real calçados).
A entrada tinha uma simples faixa de pano escrito  ARRAIÁ DO CUMBE. Foi por muitos anos sonorizados pela potente Torre Som com o seu locutor especial Antonio Carlos (Radialista hoje em Quijingue).
As barracas ficavam nas laterais da rua, e, em alguns anos ao meio. Tinha Alvorada (organizada por Tonheco do Hotel Lua),  Pau-de-Sebo, Corrida de Saco, Quebra Pote, Quadrilhas com casamento na roça, Comidas Típicas, Balões trazidos por Nego da Marinha, Fogueiras, Trio do Jegue do Mundinho Doido, etc
Começava a animação todos os dias a partir das 13 horas

O tempo foi passando e já era grande o aperto entre pessoas na avenida. O poder público teve que criar o forródromo (afastado do centro) o qual recebe hoje mais de 30 mil pessoas por noite, além de vários arraias no centro e nos cantos da cidade, escolas e nos povoados.   Também temos os eventos alternativos, os principais são: Forró Bode, Arraiá do Clube do Cem, Nativus do Cumbe, Forró na Praça, Esquenta Bode, Forró Quentão, Arrastão, Rancho da Ararinha, entre outros.

O São João de Euclides da Cunha (Arraiá do Cumbe) é tão contagiante que se tornou  uma grandiosa festa conhecida na mídia televisiva e concorre com grandes cidades de São João tradicional.

Obs: Para ver no seu celular clique AQUI  será encaminhado para youtube



quinta-feira, 1 de junho de 2023

Trio do Jegue - São João 1992

Foto/colaboração: Raimundo Macedo (Mundinho Doido) História

No São joão de 1992, o Jegue elétrico com seu dono Mundinho doido brincavam com o mais alto som pela avenida Ruy Barbosa com vários foliões atrás. De repente, um malandro atirou a chama do cigarro aceso nos testículos do animal. O jegue descontrolado desceu a avenida com violência e o povo correndo aflito derrubando várias barracas e mesas pela frente. Ninguém ficou ferido. Houve prejuízo por parte dos barraqueiros com uma boa quantidade de bebidas quebradas.

No dia seguinte os barraqueiros reuniram-se e foram à delegacia prestar queixa do ocorrido contra o Mundinho Doido.

Ao ser intimado, Mundinho dirigiu-se a delegacia levando o animal onde amarrou o mesmo numa árvore em frente o prédio. Na sala de audiência estavam 9 barraqueiros, Mundinho, delegado e o escrivão. O delegado sentou-se, pediu silencio e perguntou quem era o acusado.

Mundinho levantou-se bruscamente e, apontando pra janela onde estava o animal, disse: Olha ele aí, doutor! Eu não tive culpa nenhuma! Foi ele!! Foi ele!!! (Referindo-se ao jegue).

O acusado quase foi preso pela gozação e ainda obrigado a arcar com todos os prejuízos.