segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

José Bezerra Neto (Zuza Bezerra)

 José Bezerra Neto (Zuza Bezerra)  nasceu em Queimadas-Bahia, 27 de agosto de 1919.

 Agropecuarista, instalou-se com sua família em Euclides da Cunha que considerava sua Cidade Mãe. Político euclidense, foi vereador  entre 1948 a 1958, quando candidatou-se pelo PSD a  prefeito do município de Euclides da Cunha eleito.  Já em 1962  foi candidato a Deputado Estadual por Euclides da Cunha sendo eleito deputado, coincidindo com a gestão do Governador  Lomanto Júnior de quem desfrutou de imenso prestígio, tendo, inclusive, obtido do governador, a instalação da primeira agencia do Banco do Estado da Bahia (que é o atual Bradesco). 












Na foto, ao centro, o deputado cortando a Fita Inaugural da agencia do banco ao lado do prefeito Antonio Batista de Carvalho e, na extrema direita, o goverandor Lomanto Júnior que veio prestigiar a inauguração a pedido do deputado em 1966.



__

Colaboração: Hildebrando Maia 




segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Exército Brasileiro em Euclides da Cunha - Bahia













No ano 1966, o Comando da  6ª Região Militar teve em Euclides da Cunha para o Recrutamento Militar. Jovens a partir de 18 anos eram obrigados  a comparecer  na prefeitura (hoje Câmara de Vereadores) com os devidos documentos para o preenchimento do formulário.  Até hoje os recrutas são escolhidos por dois critérios principais. O primeiro é a combinação do físico e aspectos morais e o segundo é o da representação de todas as classes sociais e regiões do País.















O Comando ao chegar na cidade foi recebido pelas autoridades locais. Posaram para foto com a tropa, da esquerda para direita, Zé Marinho (pai de Ohniram da Tendinha Cultural), Walter Macedo, Professor Teófilo Paiva Guimarães e o prefeito Antônio Batista.






Foto em frente a Escola Duque de Caxias













Um dia antes do recrutamento, os militares desceram de vários caminhões do Exército Brasileiro para um desfile na cidade. Ao se organizarem na fila, ouvem-se os  comandos de voz natural em tom forte “ESQUERDA/DIREITA VOLVER” , “EM FRENTE” Deu-se  inicio a marcha iniciando na Rua Joaquim Santana Lima passando pela Ruy Barbosa e Rua Castro Alves, sentido a Prefeitura( hoje Câmara de Vereadores). Toda cidade admirada pelos passos fortes,  firmes com total simetria. Os aplausos pelas ruas foram intensos deixando toda tropa empolgada.

Deu-se inicio o processo de recrutamento .  “Eu me apresentei para tirar a Carteira de Reservista e, na época, eu falei ao Major que era o Comandante, se poderia servir ao Exército lá em Paulo Afonso, na parte administrativa. O Major respondeu que, infelizmente,  não poderia ser, mas me elogiou pela minha vontade de servir a Pátria e falou para os demais que se encontravam  presentes, sobre o meu patriotismo e me prometeu mandar o Certificado o mais breve possível.” Comentou Zé Dilson Moreira, conhecido como Zé Dilson da Cadeirinha.


_

Colaboração: Hildebrando Maia, Ohniram Marinho, José Dilson Moreira


terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Rua Joaquim Santana Lima - Calçamento - 1965

 

          Antes                                               Depois








_
Em 1965 foi construído o calçamento da Rua Joaquim Santana Lima pelo então prefeito Antônio Batista de Carvalho. O nome da rua foi em homenagem a Joaquim Menino.

Joaquim  Santana Lima (Joaquim Menino) era inimigo político de Antônio Batista, mas, de surpresa, recebeu apoio total na sua campanha  vitoriosa   no qual gerou laços políticos e de amizade.

As setas amarelas indicam um muro que pertencia a casa de Totonho Lima. Dois anos depois, na gestão de Joaquim Silva Dantas (Ioiô Dantas), o muro foi derrubado pelo gestor em entender que era indispensável ao interesse público a abertura de uma rua que hoje faz ligação à rua Pedro Monteiro Campos, Bairro Caixa D`Água entre várias vias e Centro.  Houve uma indenização prévia e justa. 

A seta laranja indica a residência de Totonho Lima e Dona Clarinha. Também residiu Hugo Canário e Terezinha até a demolição devido a um  gigantesco buraco entre os alicerces do prédio que tornou-se famoso.  Hoje encontra-se uma linda Pracinha Ararinha Azul.



__

Por Ney Campos

Foto: Antonio Batista de Carvalho

Contribuição: Solange Victor




quinta-feira, 19 de novembro de 2020

José Lauricio da Nóbrega - Morenito

 O maior cordelista de Euclides da Cunha





quarta-feira, 17 de junho de 2020

Le Galope


A Le Galope começou  padaria no térreo, padaria bar e lanchonete, depois, pizzaria no primeiro andar.

A seta amarela indica o terreno onde foi construída
A seta vermelha a Avenida Almerindo Rehem

Ambiente de requinte, bom gosto, foi um dos maiores pontos de encontro e entretenimento para euclidenses e visitantes. Após uma boa conversa no primeiro andar,  chegava-se o momento de saborear uma boa pizza feita por  pizzaiolos  de fora que vieram  dar dicas para formação de novos na área. Começou  em setembro de 1982, com Hilton Celestino (Durão), logo passou para seu  irmão,  Milton (Fanta). 


Alguns meses depois da inauguração, iniciou-se o som ao vivo, voz e violão. Quase todos os finais de semana tinha Iomar Canário, alternando para Chico D`Oliveira. “Muitas vezes eu chegava a noite, cansado de viagem a serviço do Interba e logo, sem ter nada marcado, chegava Durão em minha porta me chamando para mais uma cantoria no local. Pegava meu violão e rapidinho chegava lá” comentou  Iomar Canário. Isso era no primeiro andar. A bebida da moda era cerveja Brahma Chopp, e bebidas quente, bacardi com coca, Vodka com refrigerante laranja,  Dreher com Martini, Campari, o “sofisticado” Whisky Old Eight, e o gordinho Natu Nobilis


Na década de 1990 eram sempre convidados: Zé de Zezito com seu irmão, Ney Campos e Kleyton Nunes  com reportório de Geraldo Azevedo, Xangai, Alceu Valença, entre outros. Houve som ao vivo na rua, em frente ao prédio com o Projeto Verão. O projeto  se ampliou para vários bares da cidade e região patrocinado  pela cervejaria Antárctica por 6 meses com a finalidade de superar a concorrente Brahma Chopp (a queridinha da época).


Kleyton Nunes, Zé de Zezito e Ney Campos
Projeto Verão - Cerveja Antárctica

Algum tempo depois foi aberto uma área na lateral do prédio, na rua Benjamin Constant, com o ambiente maior. Deu-se início a cobrança de ingressos ou taxa de consumação para ouvir bandas locais: Banda Brilhante, J. Som 6, Antônio Rocha, Chico D`Oliveira, Zeca dos Teclados, Grupo Realce, Peles de Gato, entre outras, como também  grupos de forró locais. Os dois ambientes,  muitas vezes, funcionavam simultaneamente, sendo a parte superior com som ambiente.
Os primeiros funcionários foram: Seu Miguel pai do Nel Saad, Bigode e Nel conhecido como Nel da Le Galope
A Le Galope, hoje, ano 2020, com nova direção, foi transformada em pontos comercias no térreo e funcionará na área superior. Muitos casais de hoje se conheceram na inesquecível Le Galope.


Por Ney Campos





__
__